Placebo do Diabo

Quando Nietzsche matou Deus, a ciência já havia matado todos os Deuses e já havíamos perdido a imaginação. Aquela imaginação que não se detêm diante das verdades científicas, imaginação genuina, sem ensaios sem entraves.

Nossa mente foi acorrentada às delimitações e não podemos mais ser salvos por nós mesmos. Estamos em um laboratório mas não somos cobaias de Deus, somos o placebo do Diabo.

Ele nos faz pensar que estamos sendo alimentados pelo divino quando nosso enxerto é pus e fezes. O Diabo se diverte com o excremento enquanto Deus se ajoelha e ora.

E nós?

Eu penso em Ícaro… mas sei que apenas nos resta esperar atentos e ansiosos por uma distração dos chefes do laboratório, e nesses parcos momentos de liberdade, em que não estamos sob vigilancia nem de Deus nem do Diabo, acessar nossas vidas ficticias nas redes sociais, respirar a inveja e a soberba que emana delas e nos sentir aliviados e completos por sermos parte, mesmo que seja de um mundo de faz de conta…

Essa foi a imaginação que nos sobrou depois de Nietzsche e Galileu! Seres microscópicos num laboratório invisível, esperando que a guilhotina falhe e nos liberte da sentença, bem alí, em praça pública.

Depois um café, e o próximo cigarro que nos brindará um câncer. Amém!

Um comentário em “Placebo do Diabo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s