Até que o Blues nos enterre

Nunca sabemos o que estampa um corpo sob suas miméticas vestes. Quanta alegria ou quanta dor suporta aquele corpo?

Fico imaginando o pânico, o medo ou a revolta se pudessem por os olhos em minha carne, ou na parte dela que se desmancha em sangue coagulado sob a pele.

Certamente devorariam o resto de vida que mantém meus olhos abertos. Certamente passariam dias sem dormir, com a imagem dos destroços de uma alma vazando pelo poros.

Eu sei… não existe beleza nessa merda toda… tento ocultar o nocivo que insiste em florir no meu coraçãozinho desmiolado… só pra me sentir melhor e te convencer que preciso disso para seguir desperta.

Uso tua camiseta preta para que não vejam meus ombros, meus braços, minhas costas… as marcas, as chamas… uso tua camiseta preta pra ocultar meu crime e assim, tu deixas de ser o juiz e te converto em cúmplice!

Me destruo nessa vingança mas também te massacro, tuas peças me ocultam e me permitem cravar cada vez mais forte… Até que o blues nos enterre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s