Indiciada

As dores que já conheço não me causam mais nada. Preciso de dores novas.

Paixão não me abate, amor não me amansa. Preciso de algo entre o trivial e o obtuso. Algo que quebre o resto dos ossos que me sobram intactos.

Algo que incite um dilúvio. Que conecte Deus ao pior de mim… pra que ele veja bem de perto como o mundo que criou assopra no ouvido da alma, impelindo a mais doce menina a salivar ante um coração desesperado.

Fome. Sódio. Serpente. Tudo mata quando chega a hora. Não espere mais! Run Forest! Run! Anjos só perdoam se for por amor… mas nunca é… nunca foi.

E quem inventou o amor? Um caolho? Um leproso? Um diabético?

Almas indiciadas não se importam… não pedem socorro, socorrem e lançam. Não temem a dor, a domam. Estão acima de qualquer paralisia cardíaca… Almas indiciadas querem sempre mais, mesmo que tenham que decepar seus convidados e ao fim do banquete amputar-se.

O que me resta? Só resta vestir-me de vermelho e esperar pelo touro…

Um comentário em “Indiciada

  1. Tenho andado afastado do WordPress mas quando entro, seu espaço é minha primeira parada…
    Seus textos são tão viscerais, tão realisticamente poéticos, um desejo urgente de viver, sem culpa, sem amarras… Adoro lê-los e imaginar o que realmente passa pela sua cabeça, como você é…

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s