Livre-se. Livre-me.

Se pudesse ser algo não humano, não cogitaria um unicórnio, certamente seria um monstro. Daqueles enormes, com roupas esfarrapadas, e olhos assustadores. Não amo ninguém. Nasci para estar só. Entre fossos e castelos fiz sofrer todos que cruzaram meu caminho. Sei que não terei perdão. Há tempos me conformei com a guilhotina, passarei bem longe das portas do paraíso. E isso não me assusta mais, ao contrário, me acalma.

Pediria perdão de joelhos se eles já não estivessem calejados demais pelas brincadeiras mundanas. Me embriagaría pela última vez na porta do teu cemitério mas prefiro pedir uma pizza e sorrir para o entregador, como se algo em mim fosse de verdade… Ele sabe, eu sei, você sabe, tudo era fome… apenas fome… e não há amanhã pros famintos. Livre-se. Livre-me 🙏 amém!

Um comentário em “Livre-se. Livre-me.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s