Arnica

Inspiro violência. Não sei de que forma isso acontece. Não posso mais ficar com ninguém. As mãos dele estão gravadas na minha cintura. As duas, uma de cada lado. Arde quando a blusa encosta. Acordo encharcada de culpa, sempre… e as marcas me incriminam ainda mais, transformam uma noite em três dias de arnica. Vivo essa prisão, sem meios de me libertar. Ele me disse que o corrompi. Finjo que não escuto. Já carrego minhas culpas não há espaço para outras mais.

Talvez as pessoas não sejam violentas, talvez eu apenas seja delicada demais pra ser tocada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s