Até quando Nietzsche?

Quando Nietzsche nos diz: torna-te quem tu es, ele está falando de rupturas. Temos que nos desvincular da familia que nascemos, das religiões que nos impuseram, das verdades criadas pela doutrinação filosófica e principalmente nos libertar do pertencimento amoroso.

Só nos tornamos o que somos quando conseguimos nos distanciar de tudo que nos formou, de todos que nos amaram e de tudo que acreditamos ser verdade.

Nietzsche, ainda Nietzsche indagaria: Para quê e porquê a verdade? Ele sabia da impenetrável subjetividade da verdade e partiu para outro caminho. Gosto de seguir os passos dele, é uma busca pela libertação do pensamento, sendo este, a essência do que somos, buscar a libertação é encontrar a si mesmo, em essência… sim é um processo meio esquizofrênico, tanto que em um dado momento ele mesmo disse que não era mais homem e sim uma dinamite…

Voltando ao amor e ao pertencimento, que é o ponto que mais me inquieta, acho que o maior desafio nessa construção de si mesmo é não se corromper diante do amor. Sinto que no amor, mais que em qualquer outro campo, nos abandonamos aos sonhos e desejos alheio… Passamos a ser a vida do outro e acabamos deixando de viver para sermos vividos e algo nos faz crer que isso é felicidade… Qual é o limite da entrega? Pra mim tem sido a dor. Só ela tem me freado e ainda sim tão próximo do abismo que na maioria das vezes se torna impossível não se desequilibrar e cair. Tenho tomado minhas doses diárias de Sartre mas ainda sim sigo saltando. Até quando Niet? Até quando?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s