Sepultamento

Quando um amor termina é uma viuvez como a da morte. Deveríamos ter o direito aos cinco dias em casa para cuidar do sepultamento e quando necessário, uma verba extra pra deslocamento… não precisa muito, qualquer três dias longe da casa, do quarto, da cama… já seria um alívio. É sobre-humano ter que bater ponto pro capital quando o luto te impede até de dar um bom dia convincente…
Mas me parece que a tristeza da morte se transforma depois em amor, na verdade nao sei, nunca vivi. Já o fim do amor… o fim do amor pode se transformar num Alligator, aquele do filme, que foi levado pela descarga do vaso e ficou lá, crescendo e crescendo no subterrâneo, sabe? É o que acontece com o cadáver de amor que tu tentas jogar por água a baixo, pra se livrar rápido, porque a burocracia da vida não te deixa enterrar em paz seus restos.
É… acho que nem Chaplin previu tempos tão modernos. Dá pra pedir pra sair?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s