No dia em que me despedi

No dia em que me despedi, nada entendi daquela dor… daquele amor que enterrou todos os outros.

Meu olhar de destruição… o seu, ruínas… frases que não tomaram forma porque inventaram aquela maldita palavra que nos isenta de tentar compreender: inefável! I-ne-fá-vel…

Ainda morro de vez em quando tentando achar o gatilho… encontro, e justo nesse dia a coragem se desencanta e pede um dia mais, dou… sempre dou tudo que me pedem… nessa ganância desenfreada de desculpar-me por ter nos empurrado contra o tempo que latia no meu calcanhar.

Tentar compreender o que sinto seria sacrificar a elegância da sensatez, ninguém se atreve, nem mesmo eu… não posso exigir isso de ti, descanse.

Descanse, e me odeie, mas me odeie em silêncio… ele corrói mais que gritos, que insultos, que acusações… e talvez seja isso o que mereça.

Mas se um dia quiser me amar não venha sem medo, todo cuidado é inocente quando encara minha malícia aterrorizada, que quer endividar para escravizar.

No dia que me despedi deixei pra traz a vida que era só sua, para ti. Deixei para traz o anseio de desejar de novo com essa força… e abandonei qualquer impulso de ter… e de pertencer… tudo naquele dia, em que me despedi…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s