Apenas uma história de amor

Entrou, lavou as mãos, já não se incomodava com os restos de sangue que sobrava sob as unhas.

Sentou e atou os próprios pés na perna da cadeira vermelha. Vendou os olhos e algemou-se. Um punho sobre o outro em cima das pernas.

B.B King cantava Lucille enquanto sua mente entrava em declínio… e subia e descia… e subia e descia… e subia mais e mais e depois caía vertiginosamente… e assim ía se libertando… precisava chegar tão baixo quanto podia subir e só podia subir com o ritual e só podia baixar com ele. Era Caos e era Gaya. Era queda era chão.

Toda semana saía em busca de um réu confesso. De suborno de CET à estupro de incapaz, qualquer crime lhe servia. Arrancava-lhes o coração a unha, com total concebimento da vitima, que assistia com resignação o fim da própria história.

Como ela fazia isso? Usando Poe, usando Kafka, usando Sartre ela os convencia da beleza e da urgência da morte. Para que tanto os criminosos como suas vítimas pudessem ter paz. E acredite, o que os criminosos mais desejam é dormir em paz.

Quando voltava pra casa, na madrugada, se atava na cadeira depois de limpar as mãos, e ouvindo blues iniciava a decolagem, quando aterrissava já não tinha mais forças, deixava a cabeça cair e dormia alí, atada na cadeira, era o fechamento do ritual.

Os corações arrancados ela recolocava no peito do criminoso morto, cobria com a carne retirada e vedava com duas tiras de silvertape azul. Abandonava o local, com a satisfação de quem havia realizado uma grande obra.

Um dia, como todos, mais um crime era cometido, só que dessa vez a vitima era ela. O criminoso? Aquele que dormia a seu lado e dizia todas as manhãs que a amava.

Não importava a proximidade com a vitima, os traidores tinham que perder seus corações, e conscientes que é o melhor para todos.

Executou o ritual da mesma forma que sempre, sem a emoção esperada por se tratar do amor de sua vida. Mas esse cadáver foi distinto de todos os outros.

Quando cravou as unhas da mão direita, a mão mais forte, no meio do peito do amado e começou a rasgar-lhe as camadas não encontrou um coração como o esperado, e sim uma caixa de ferro.

Retirou a caixa do peito, limpou os pedaços de carne e sangue com um lenço colorido que trazia amarrado no pescoço e abriu a caixa de um só golpe.

E um grito, pavoroso de socorro saiu de dentro da caixa. O grito se repetia cada vez que terminava. Socorrooooo! Socorroooo! Socorroooo! Uma voz demorada…. sombria e desesperada que faria qualquer um entrar em pânico.

Ela fechou a caixa e posicionou-a em cima da mesa, bem ao lado da cadeira vermelha. Queria atar-se e entrar em transe mas tinha que seguir o ritual.

Não tendo coração para colocar de volta e fechar o corpo, foi ao banheiro e na frente do espelho localizou o centro do peito, cravou as unhas em si mesma em busca de seu próprio coração.

Arrancou-o sem muita dificuldade, a dor sempre lhe causara mais prazer que sofrimento. Dirigiu-se a sala e introduziu seu coração no peito do traidor, do homem que a enganou em quanto dizia que a amava. Cobriu com a carne que havia retirado dele fechou com duas tiras de silvertape azul.

Não teve forças para lavar as mãos. Sentou-se na cadeira vermelha e atou os próprios pés nos da cadeira. Vendou os olhos, algemou-se e com a boca, abriu a tampa da caixa de ferro.

E foi ao som dos gritos de socorro do coração traidor que ela fez sua última decolagem.

E esse, não foi o relato de um crime, foi apenas mais uma história de amor.

Um comentário em “Apenas uma história de amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s