Te devoram pelas bordas

Sou essa que inventei. Entre perdas e surtos construí essa banalidade que chamo publicamente de eu. Não me apresento mais a ninguém, não tenho o que oferecer, e nada do que me ofertam me serve. Cheguei no mais alto grau da antipatia introvertida. Sorriso na cara para abreviar o tempo de exposição, assim me livro […]

Leia mais Te devoram pelas bordas

Obrigada por me traíres!

Uma das boas coisas da vida é quando deixamos de amar e odiar quem nos feriu. É como renascer… renascer pro amor, pra vida, pra nossos desejos. Tudo que estava parado começa a fluir, o dinheiro começa a entrar e o sono vem fácil a noite. Sou lenta, já me conheço, não me apresso nessa […]

Leia mais Obrigada por me traíres!

O grande erro

Pela primeira vez na vida vivo sem o sangue de um amor nas veias. Estou limpa. Me sinto tão pura, tão íntegra, tão única que chego a desconfiar que vivo meus últimos dias. Os casamentos me esgotaram, os amantes também. Eles cresceram, subiram, voaram a espaços jamais sonhados antes que eu entrasse em suas vidas. […]

Leia mais O grande erro

Quatro casamentos depois

Nunca tive vocação pra dividir minha vida nem meu espaço, mas demorei quase quarenta anos pra aceitar esse fato. Quatro casamentos depois, não tenho mais dúvidas de que o egoísmo que me acusavam nada mais era que um anseio imparável da alma pelo silêncio e, porque não, pela solidão. Desde muito pequena tinha verdadeiro fascínio […]

Leia mais Quatro casamentos depois

Só o Blues salva

Santos Dumont se suicidou. Ele se enforcou com uma gravata em um quarto de hotel. Não suportou ver seu invento sendo utilizado na guerra. Amy amou tanto que se drogou até a morte. Nem a música pôde curar sua dor. Van Gogh foi levado ao suicidio esmagado por uma sociedade que rejeitou suas obras. Maiakoviski […]

Leia mais Só o Blues salva

Mato tudo que amo

Nessa vida, passei mais tempo comigo do que com qualquer outra pessoa, mesmo assim sou um assombro pra mim mesma. Continuo matando em pensamento todas as pessoas que amo, num ritual mental-imaginário que ainda hoje não sei se abraça o despreendimento ou se simplesmente é um traço de morbidez aguda. Já assassinei, velei e enterrei […]

Leia mais Mato tudo que amo