Sartre mente, todos mentimos

Pessoas aparentemente normais se tornam psicopatas diante do amor, foi Bukowski que disse, não com essas palavras mas tentando mostrar o quanto o envolvimento amoroso imbeciliza as pessoas, desorienta, tira a paz, o sono… o que tampouco é original porque esse mapa todo foi desenhado pelos estóicos lá atrás bem antes de Cristo… e Platão […]

Leia mais Sartre mente, todos mentimos

Quando a tempo não acabava

Fomos amantes desde que nos conhecemos. Na Amazônia durante um evento. Ele estrela, eu produtora. Inevitável, estava destinado. Paixão de primeira olhada. Fomos literalmente acorrentados pelo tornozelo. Só saltei porque era ele, porque era com ele… Dali pra frente tivemos uma relação única (pelo menos pra mim nunca se repetiu) nos encontrávamos por aí, Rio, […]

Leia mais Quando a tempo não acabava

Costurada na saudade

Costurada na saudade, me dá medo gestos bruscos. Até certos movimentos me fazem pensar duas vezes. Não, não é medo, é aflição mesmo. Aquele ruído das linhas se rompendo me aflige… é insuportável. Me sinto como Sartre quando a náusea o impedia de vislumbrar um novo amor… aquele abismo que ele não estava mais disposto […]

Leia mais Costurada na saudade

Me transplanto

Fui feliz no amor e tive sorte no jogo… mas acho que a vida cansou… foi um dobrar de esquina e o feitiço acabou! Não existe hoje no mundo criatura mais normal que eu… Acabaram os mistérios, a magia, os sonhos… me transplanto num corpo que levanta e segue… apático, apátrida, amorfo… antes só do […]

Leia mais Me transplanto

Até quando Nietzsche?

Quando Nietzsche nos diz: torna-te quem tu es, ele está falando de rupturas. Temos que nos desvincular da familia que nascemos, das religiões que nos impuseram, das verdades criadas pela doutrinação filosófica e principalmente nos libertar do pertencimento amoroso. Só nos tornamos o que somos quando conseguimos nos distanciar de tudo que nos formou, de […]

Leia mais Até quando Nietzsche?

O quinto estigma

Quando deixei a primeira casa tinha os punhos perfurados, sangrava por eles todos os sonhos do amor romântico. Depois me cravaram uma coroa de espinhos… meus pensamentos ficaram confusos… nesse amor perdi um pouco da identidade e até mesmo da razão… mas de lá consegui sair em pouco tempo. Um pé sobre o outro, estive […]

Leia mais O quinto estigma

Eu te amo é um cuspe na cara

Nunca, mas nunca, revele teus segredos a um ser humano, por mais amigo e fiel que lhe pareça ele te trairá, é da natureza humana. O dia do dedo na cara, cedo ou tarde vai chegar, é a formula que os humanos desenvolveram para sentirem-se superiores, fortes, apontar o dedo e julgar… julgar tuas taras, […]

Leia mais Eu te amo é um cuspe na cara